Em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente (5), o presidente Wallace Bastos, acompanhado do coordenador regional de Minas Gerais e Espírito Santo, Thiago Fiorott, compareceu à aldeia Pau Brasil, em Aracruz, para participar de evento organizado pela Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Espírito Santo (Seama).Na ocasião, foram entregues, aproximadamente, 10 mil mudas do Programa Reflorestar, surgido a partir de Acordo de Cooperação Técnica (ACT) entre Funai e Seama, em 2017, e anunciada a entrega de mais mudas a serem plantadas por 126 famílias indígenas ao longo de 240 hectares.Bastos destacou a importância e benefícios do projeto aos indígenas e ao ambiente: “A parceria entre a Funai e o Governo do Espírito Santo no Programa Reflorestar é excelente. O projeto vai ajudar a recuperar áreas indígenas degradadas, deixando um legado ambiental, além de possibilitar a geração de renda para as comunidades indígenas envolvidas. Hoje marcamos a entrega de mais de 150.000 mudas para plantio. Espetacular!”

Durante o evento, o Cacique Werá Kwarai, também conhecido como Toninho Guarani, falou aos presentes sobre a importância de se repensar a relação humana com o meio ambiente e a natureza: “precisamos nos reconectar com a nossa mãe terra, que provê a água e os alimentos necessários ao nosso sustento, entender que somos parte da natureza. Então, se estamos conectados à natureza, estando a natureza desiquilibrada, a nossa vida, a nossa alma também está desequilibrada, assim aprendemos com nossos antepassados e ensinamos às nossas gerações futuras, às nossas crianças. Precisamos cuidar de todo esse sistema que fazemos parte pra agora e para o futuro”.

Atuação da Funai e andamento do projeto

O Programa Reflorestar é, no âmbito da Funai, apoiado pela Coordenação-Geral de Gestão Ambiental (CGGAM) e Coordenação Regional de Minas Gerais e Espírito Santo, que atua neste contexto por meio da Coordenação Técnica Local(CTL) em Aracruz.

plantando2

Cacique Werá Kwaraí planta muda de pau brasil. Foto: Seama

Thiago Fiorott, coordenador regional, explica que articulações como essas cumprem o propósito institucional da Funai na garantia do direito dos povos indígenas e define o projeto como promissor. “A articulação entre os indígenas, a Funai e o Governo do Estado Espírito Santo, realizada por meio do Programa Reflorestar, vai garantir o inicio da recuperação ambiental e florestal da mata atlântica das Terras das etnias Tupiniquim e Guarani. Essa ação é também fazer cumprir a constituição federal e a missão da Funai buscando garantir aos indígenas a convivência e permanência no território tradicional, necessário à reprodução física e cultural, buscando a sustentabilidade das comunidades envolvidas. É um projeto de futuro que está começando: uma floresta que vai ser plantada a muitas mãos.”, declarou o coordenador.

Em março foram entregues insumos para a recuperação das áreas pelas famílias indígenas e realizadas diversas oficinas e reuniões entre os parceiros, lideranças e associações da comunidade. Na atual etapa, viveiros e cercas estão sendo refeitos e, em breve, serão plantadas mudas e realizados sistemas agroflorestais.

Reunião programada

Após o evento, o presidente se dirigiu à Coordenação Técnica Local em Aracruz para reunião com servidores e lideranças Tupiniquim e Guarani, ocasião em que foi discutida a estruturação da CTL e assuntos que envolvem as comunidades indígenas atendidas como licenciamento ambiental de empreendimentos da região e acordos com associações da comunidade.

presidenteectl

Presidente e servidores na CTL em Aracruz. Foto: Arquivo/Funai

A viagem fez parte da estratégia de trabalho de Wallace Bastos em conhecer de perto as necessidades dos povos indígenas e promover maior aproximação entre Funai e comunidades.

Kézia Abiorana 

Ascom/Funai

Foto: Seama. Funai, Seama e povo Guarani comemoram entrega de mudas do Programa Reflorestar.