Brasília, 17/09/2018 – Satisfação, alegria, encantamento e orgulho de ser brasileiro foram algumas das expressões externadas pelos componentes da comitiva composta por militares e civis, durante a viagem à Amazônia, no período de 12 a 14 de setembro. O grupo acompanhou as atividades desenvolvidas pelo Programa Segundo Tempo – Forças no Esporte (Profesp), em Manaus, São Gabriel da Cachoeira e Tefé, municípios amazonenses, e na capital de Rondônia, Porto Velho.

A comitiva, chefiada pelo o secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto, do Ministério da Defesa (MD), brigadeiro Ricardo Machado Vieira, contou com a presença de representes do Ministério da Defesa (MD), Ministério do Esporte (ME), Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), Ministério da Saúde (MS), Senado Federal, Câmara dos Deputados, Marinha, Exército, Força Aérea Brasileira, Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), Receita Federal, Voluntários Cisne Branco-Brasília, Pestalozzi, e Federação Nacional das Associação de Pais e Amigos do Excepcional (Apae).

Brigadeiro Machado falou da sua satisfação pelo trabalho bem feito pelos comandantes, coordenadores e colaboradores

O brigadeiro Machado ressaltou que o sucesso do projeto não é garantido apenas com recursos financeiros, mas boa vontade é fundamental. Ele destacou que o projeto tem na prática de esporte o grande atrativo. Mas não é só esporte, os participantes têm a oportunidade de participar de outras atividades, dependendo da disponibilidade do local, tais como aula de reforço, música, prática de artes marciais, natação, visitas a museus etc. “É bonito quando se trabalha com uma equipe tão boa, com colaboradores comprometimentos e comandantes empenhados”, ressaltou o brigadeiro Machado.

A viagem teve início por Manaus. A comitiva foi recepcionada no aeroporto e conduzida para a Ala 8, onde pode acompanhar encenação teatral em que crianças aprenderam sobre higiene pessoal. A seguir, grupo foi para o 1º Batalhão de Operações Ribeirinhas (1º BtlOpRib), pertencente à Marinha, e para o 1º Batalhão de Infantaria de Selva (1º BIS), do Exército.

Atividades lúdicas fazem parte das atividades no núcleo da ALA 8

“Para mim foi uma honra e um orgulho ter testemunhado a abnegação, resiliência, dedicação, comprometimento, amor à Pátria, e, sobretudo, o exemplo de amor ao próximo dos nossos militares”, destacou Ana Beatriz Goldstein, diretora da Seccional-Brasília das Voluntárias Cisne Branco e pertencente à Pestalozzi.

O futebol é o esporte preferido da meninada

Em São Gabriel da Cachoeira e Tefé, o grupo conheceu militares que atuam na defesa das fronteiras brasileiras e também se dedicam às atividades do Profesp. O comandante 17º Batalhão de Infantaria de Selva (17º BIS), em Tefé, coronel Jorge Antônio Santos Costa, disse que comandar uma unidade de selva é a realização de um sonho e poder desenvolver o projeto em sua unidade é uma oportunidade maravilhosa. Pois, além do realizar um trabalho importante para o país também contribuiu para o crescimento de crianças que necessitam em um lugar tão distante.

As crianças são incentivadas a leitura desde logo cedo

Em Porto Velho, a comitiva conheceu as atividades oferecidas na Ala 6, e pode verificar como as crianças estão envolvidas, tanto no aspecto esportivo quanto lúdico. Elas participam de aulas de flauta, futebol, atletismo e natação.

Atividades musicais contribuem para a interação entre as crianças do projeto

O diretor do Departamento de Desporto Militar (DDM) do Ministério da Defesa, general Jorge Antonio Smicelato, disse que o sentimento final é de que podemos fazer muito pelas crianças.

Referindo-se ao projeto João do Pulo, que está em fase de implantação e destinado a crianças com deficiência, o general Smicelato esclareceu que também poderá atender componentes da família militar, diferentemente do Profesp.

Dentre os participantes da comitiva, Nilson Alves Ferreira, da Associação de Pais e Amigos do Excepcional (Apae), de Tocantins, destacou que pôde perceber a importância do Profesp na vida dos alunos, das famílias deles, bem como para a comunidade em razão da inserção social proporcionada aos integrantes do projeto.

O funcionário do Senado Federal, José Edmar de Queiroz disse que até então não conhecia nada da Amazônia, tampouco havia tido qualquer contato com militares. “Para mim, a viagem foi mais que Profesp – programa cujos méritos são evidentes-, foi uma verdadeira aula sobre o nosso país”, avaliou. E completou: “Tanta beleza no tapete verde da selva recortada por rios, tanto entusiasmo dos militares nas cidades no meio da floresta, dos professores indígenas que conheci e das crianças felizes nas atividades esportivas”, resumiu.

Por comandante Cleber Ribeiro

Fonte: https://www.defesa.gov.br/noticias/47467-comitiva-visita-profesp-na-regi%C3%A3o-norte