O documentário “Terras Brasileiras” mostra o conflito entre os integrantes da etnia Guarani-Kaiowá e os produtores rurais do Mato Grosso do Sul. A raiz da discórdia foi a política de interiorização implantada pelo primeiro governo de Getúlio Vargas, na década de 1930. Agricultores de todo o país receberam títulos legítimos de terras que pertenciam aos indígenas. Estes foram transferidos para reservas demarcadas pelo Serviço de Proteção ao Índio, SPI, atual Funai. Mas os índios continuaram a brigar pelas terras de origem. A produção da TV Câmara fez duas viagens à região. Registrou o clima de tensão próximo à fronteira do Brasil com o Paraguai. E ouviu acusações dos dois lados. Reclamações dos índios:

“Nossas crianças tão morrendo de fome, enquanto os bois estão engordando”.

E dos produtores rurais:

“Plantasse uma lavoura ali para eles poder (em) comer. Plante nada. Elas ganha (m) tudo cesta básica”.

Parte do documentário também foi feita em Brasília, onde são tomadas as decisões sobre a política indígena e a ocupação de terras pela agricultura. Agora, o documentário foi premiado na quinquagésima-primeira edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Foi escolhido pelo júri popular como melhor curta-metragem da Mostra Brasília e recebeu o troféu Câmara Legislativa. Ainda fez jus a um segundo prêmio, dado por uma empresa cinematográfica: R$ 10 mil para serem utilizados em aluguel de equipamentos. Para a diretora do documentário, Dulce Queiroz, é urgente que o poder público dê uma solução para o problema.

“Pra você ter uma ideia, lá em Mato Grosso do Sul, que é onde é rodada a maior parte desse filme, a taxa de homicídios entre os povos indígenas é três vezes maior do que a taxa de homicídios em toda a população brasileira. Quer dizer, tem alguma coisa muito errada aí. Então o Estado precisa, a sociedade brasileira precisa se mobilizar para dar um basta nesta situação e resolver esse conflito que, no final das contas, tem vítimas dos dois lados. O agronegócio, os agricultores, também foram vítimas de um processo histórico iniciado pelo Estado lá atrás, há mais de cem anos”.

“Terras Brasileiras” já ganhou dois prêmios no Festival Guarnicê de Cinema, em São Luís, no Maranhão. Também foi exibido na sede do Parlamento Europeu, em Bruxelas, na Bélgica e na École Normale Supérieure, em Paris, na França.

Fonte: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/radio/materias/RADIOAGENCIA/563572-DOCUMENTARIO-DA-TV-CAMARA-SOBRE-CONFLITO-ENTRE-INDIGENAS-E-AGRICULTORES-E-PREMIADO-EM-FESTIVAL-DE-CINEMA.html