Segundo o instituto, dados poderão ser usados para ações de enfrentamento da pandemia

Estimativa do IBGE, divulgada nesta sexta-feira (24), aponta a existência de 7.103 localidades indígenas e 5.972 quilombolas em 2019. No primeiro caso, eram 1.856 localizadas e identificadas no Censo de 2010.

Segundo o instituto, a divulgação dos dados foi antecipada para “subsidiar o desenvolvimento de políticas, planos e logísticas” para enfrentamento da covid-19 entre os povos tradicionais. As informações sobre a população nesses locais serão conhecidas depois do Censo programado para 2021. Em 2010, conforme o recenseamento daquele ano, o país tinha 896.917 indígenas. Não havia ainda cálculo para os quilombolas.

De acordo com o IBGE, as localidades indígenas estão distribuídas em 827 municípios – desse total, 632 são terras oficialmente delimitadas. Há ainda 5.494 agrupamentos indígenas, 4.648 dentro de terras indígenas e 846 fora desses territórios. “As demais 977 são denominadas outras localidades indígenas, aquelas onde há presença desses povos, mas a uma distância mínima de 50 metros entre os domicílios.”

Conforme a classificação do instituto, localidade é todo lugar com um um aglomerado permanente de habitantes. Agrupamentos são o conjunto de 15 ou mais indivíduos em uma ou mais moradias contíguas (até 50 metros de distância), que estabelecem vínculos familiares ou comunitários.

Panorama detalhado

“Esse mapeamento dá um panorama detalhado da presença indígena nos municípios brasileiros. Ele poderá ser usado por órgãos públicos e organizações da sociedade civil nas diversas ações de enfrentamento à pandemia, já que associa dados do cadastro de localidades indígenas com informações geoespaciais e populacionais geradas a partir do Censo 2010, fornecendo informações das novas dinâmicas dessa população no território”, afirma o gerente de Territórios Tradicionais e Áreas Protegidas do IBGE, Fernando Damasco. De acordo com o Censo daquele ano, havia 896.917 indígenas no Brasil, sendo que 517.383 viviam em terras indígenas.

A região Norte concentra a maioria das localidades indígenas: 4.504, 63,4% do total. Depois vêm as regiões Nordeste (1.211), Centro-Oeste (713), Sudeste (374)e e Sul (301).

Apenas o Amazonas tem 2.602 localidades indígenas. Dos 10 municípios com maior concentração, sete estão nesse estado. A cidade de São Gabriel da Cachoeira tem 429.

Das terras oficialmente delimitadas, 305 estão no Norte, quase metade no Amazonas (148). Em seguida, vêm Mato Grosso, com 73, e Pará, com 54.

Já os quilombolas estão espalhados em mais municípios: 1.672. Do total de localidades, 2.308 são agrupamentos, 3.260 têm outra identificação e 404 são territórios oficialmente reconhecidos. Mais da metade das localidades quilombolas (3.171) está no Nordeste, seguido do Sudeste (1.359). Só a Bahia tem 1.046. Logo depois, Minas Gerais aparece 1.021.

“Essa é a primeira estimativa de dados quilombolas produzida pelo IBGE. Como o instituto nunca divulgou informações sobre essa população, os dados apresentados estão em fase de consolidação e, portanto, sujeitos a revisões até o próximo Censo, em 2021, quando poderão ser confirmados”, diz o gerente.

 

 

 

Fonte: https://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2020/04/pais-tem-7-mil-localidades-indigenas-e-quase-6-mil-quilombolas-estima-ibge/