O  Conselho Indígena de Roraima (CIR) iniciou a terceira fase da campanha de ajuda emergencial às comunidades no combate ao novo coronavírus. Desta vez em parceria com Instituto Socioambiental (ISA), foram distribuídos folders informativos sobre a Covid-19, luvas, máscaras e álcool em gel 70%, além das cestas básicas e dos kits de higiene, beneficiando um total de 210 famílias.

O objetivo da ação foi ajudar as pessoas a ficarem nas comunidades para evitar a contaminação neste momento de alto risco. O Dsei-Leste e o Dsei-Yanomami, que atendem as comunidades indígenas de Roraima, registraram 44 casos confirmados de Covid-19 e duas mortes até essa terça-feira (19), segundo dados oficiais da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

Os itens da campanha emergencial foram entregues nas barreiras sanitárias das comunidades indígenas para apoiar as pessoas que estão na linha de frente da luta contra a doença: pais de família, mães, jovens e também o Grupo de Proteção e Vigilantes Territorial Indígena (GPVITI).

Foi o caso da comunidade Muriru, Terra Indígena Muriru, região Serra da Lua. Lá são as famílias que tomam de conta da barreira sanitária. Enquanto alguns caçam, pescam, fazem farinha, outras famílias permanecem na barreira e controlam a circulação de pessoas. O revezamento é a cada 24 horas.

Entre os beneficiados também estão os GPVITIs da região Baixo Cotingo. Eles seguiram para a barreira que fica entre o Novo Paraíso e comunidade Tucumã, região Raposa, para somar força com outras lideranças.

Informar para proteger

Nessa terceira fase da campanha, a equipe emergencial também pensou em uma estratégia para propagar informações sobre como se proteger da Covid-19 nas comunidades, repassando instruções de como manter a higienização e quais cuidados tomar para evitar a propagação do vírus.

“Algumas comunidades não têm acesso à internet, então pensamos em elaborar folders com informações da Organização Mundial de Saúde (OMS), já que não podemos ter muito contato com as pessoas e muito menos fazer aglomerações. Assim, essa é a forma mais indicado de passar informações e manter os nossos parentes informados e conscientes”, destacou a psicóloga, Iterniza Pereira Macuxi, que faz parte da equipe de entrega das doações.

A parceria entre o CIR e o Instituto Socioambiental (ISA) iniciou em 2005 e nesta ação no combate ao novo coronavírus não foi diferente. O ISA doou 210 cestas básicas e kits de higiene, álcool em gel 70% e também deu apoio logístico às entregas.

“O ISA entende que é importante colaborar com as organizações indígenas que prestam apoio às comunidades para evitar que as pessoas se desloquem até a cidade neste momento porque isso aumentaria o risco de contaminação”, afirmou Ciro Gomes, do ISA.

Pessoas físicas também colaboraram com a doação de máscaras e luvas. Foi o caso de Romário Bezerra, formado em técnica agropecuária, gestão e manejo ambiental. Ele teve a ideia de escrever um projeto para o Fundo Baobá para adquirir material higiênico e assim contribuiu com máscaras, luvas, álcool em gel 70%, água sanitária e sabão líquido.

“Quando participei da reunião online na diretoria na articulação nacional da agroecologia e foi apresentada essa oportunidade de ajudar os povos indígenas no combate ao novo coronavírus, inscrevi o projeto, foi aprovado e tive oportunidade de ajudar às comunidades”.

Comunidade produz máscaras e tuxaua orienta moradores

A comunidade Malacacheta, na região Serra da Lua,onde moram1.452 pessoas, também esteve entre as comunidades beneficiadas com as doações desta terceira fase. Já engajados no combate à pandemia, os moradores fazem a ação de conscientização sobre a doença e confeccionam máscaras para a comunidade.

“Aqui na nossa comunidade conscientizamos os nossos parentes, reunimos os jovens, as mulheres para fabricar máscaras para os grupos de riscos. Por que a nossa comunidade fica perto de Boa Vista, e tivemos essa preocupação”, disse a gestora em Saúde Coletiva Indígena, Kiusylene Souza, afirmando que só na Malacacheta foram confeccionadas e distribuídas entre 150 e 200 mascaras.

O tuxaua da comunidade Jacamizinho, Carlos Alberto Wapichana também da região Serra da Lua, disse que todos os moradores estão cumprindo o isolamento social e ele como liderança dá orientações sobre o coronavírus.

“Eu como tuxuau faço o trabalho de conscientização das famílias para não saírem da comunidade, sei que muitos trabalham por necessidade”, afirmou o tuxaua. “Vamos distribuir as alimentações que recebemos entre os moradores e recomendar mais uma vez para não saírem de suas casas”, disse ao receber a ajuda do CIR e do ISA.

As comunidades que foram beneficiadas nesta terceira fase foram:

Região Serra da Lua; Malacacheta, Bom Jesus, Jacamizinho, Muriru e Tabalascada.

Região Amajari: Comunidade Vida Nova e Anaro

Região Alto Cauamé: Raimundão I

Centro São Mateus: Barreira Urucuri

Região Serras: Barreira Tabatinga e Centro São Mateus

Região Raposa:  Barreira entre o Novo Paraíso e comunidade Tucumã

Região Murupu: Truaru da Cabeceira

 

 

Fonte: http://cir.org.br/site/2020/05/21/coronavirus-campanha-de-ajuda-emergencial-do-cir-chega-a-terceira-fase-e-210-familias-sao-beneficiadas/