Ato transmitido ao vivo teve plantio pelas vítimas da covid-19 e gritos por basta de miséria, preconceito e repressão

Com o lema “Vida em Primeiro Lugar. Basta de miséria, preconceito e repressão! Queremos trabalho, terra, teto e participação!”, a 26ª edição do Grito dos Excluídos ocorre nesta segunda-feira (7), em diversas cidades brasileiras. Devido à pandemia, este ano foram realizadas manifestações simbólicas, sem aglomerações e com atividades virtuais. A tradicional manifestação popular realizada por movimentos e organizações populares no feriado da Independência do Brasil, por direitos humanos e sociais, recorda que nada se tem a celebrar quando se observa a desigualdade, a exclusão e a violência no país.

No Rio Grande do Sul, o ato contou com momentos culturais, com canto e com a valorização da realidade e da força do povo brasileiro. Teve plantio de árvores, e foi aberto o espaço para o grito de jovens, mulheres, camponeses, moradores das periferias, religiosos e integrantes de movimentos populares. Por mais de duas horas, a manifestação reuniu de forma ampla representantes da diversidade de culturas, lugares e entidades de todo o Rio Grande do Sul.

Para o médico Armando de Negri Filho, coordenador-geral da Rede Brasileira de Cooperação em Emergências (RBCE), o grito é de basta contra a política neoliberal e o governo Bolsonaro. “Tem se radicalizado a destruição dos direitos após o golpe, uma aceleração da desproteção da natureza e dos trabalhadores e um aumento do poder do capital financeiro. Essa aceleração ganha dimensão trágica na desproteção frente à pandemia”, avaliou. Ele chamou a atenção para a petição pública contra a redução de R$ 35 milhões do orçamento do Sistema Único de Saúde (SUS) anunciada pelo governo.

Negri destacou os diálogos do Papa Francisco com os movimentos sociais, que resultaram no que chama da proteção aos “três Ts”: trabalho, teto e terra. “É como um triângulo que relaciona terra com o bem viver universal que temos que respeitar e integrar na nossa existência. Fazer de forma a preservar os direitos dessa terra, nossa casa comum, projetar cuidados com vida na terra como ecologias necessárias para gerar alimentos, o que dá base à construção material do conforto para todos, sem consumismo exagerado”, afirmou, destacando as iniciativas de produção agroecológica como vanguarda dessa nova concepção cooperativa e solidária.

Para o padre Edinho, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil Regional Sul 3 (CNBB Sul 3), o Grito vem de comunidades e de pastorais sociais e é um chamado a pensar que “não basta bater continência a bandeira nacional, temos que falar que essa pátria tem milhares de florestas sendo eliminadas. O verde e o azul do céu estão sendo poluídos pela intolerância, pelo ataque ao meio ambiente e por outras formas que poluem a vida”. Ainda segundo ele, o Grito clama por participação popular e denuncia “que nem tudo está bonito porque a gente sente que tem muita miséria, intolerância e preconceitos na sociedade”.

Saraí Brixner, da Rede Soberania, destacou que o Grito é do povo organizado que está fazendo sua parte frente ao abandono do governo federal. “O que a gente pede é respeito e que os governantes façam sua parte. Estamos vendo quem está sofrendo com os abusos de poder e a perda de direitos e de garantias sociais: é o povo trabalhador que se mobiliza, faz comitês, planta árvores e promove ações como essa que estamos realizando hoje”, enfatiza.

Plantio de árvores em defesa da vida


Ação foi realizada em praça na periferia do município de São Leopoldo / Marcus Perez / CUT-RS

Durante o ato, destaque para as tomadas ao vivo de plantio de árvores pelas vidas perdidas na pandemia. A iniciativa reforça a campanha em andamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), lançada em 2019, que tem como meta plantar 100 milhões de mudas em todo o país, sendo 7 milhões no estado no Rio Grande do Sul. No Parque Pedro Antônio Maria, localizado na periferia de São Leopoldo, foram plantadas 80 mudas. A ação foi promovida pela Central Única dos Trabalhadores do RS (CUT-RS), em parceria com movimentos sociais, sindicatos e com apoio da prefeitura municipal.

O presidente da CUT-RS, professor Amarildo Cenci, destacou, durante o plantio, a resistência e a defesa da vida e da democracia. “Queimam a Amazônia, matam pessoas. Nós estamos aqui para dizer que vamos resistir, plantar árvores, defender a vida e os direitos. Vamos gritar e juntos reverter essa situação para construir um país mais igual, tanto do ponto vista dos direitos dos trabalhadores quanto do ambiental. Fora Bolsonaro, ele é a morte e nossa luta defende vida e democracia ao seu povo”, afirmou.

Mudas de 110 árvores também foram plantadas na manhã desta segunda-feira em dois locais de experiência de moradia alternativa em Porto Alegre: a Cooperativa Habitacional dos Trabalhadores de Ensino da Rede Privada (Cootepa) e a Cooperativa Sócio Ambiental São Francisco de Assis (Coopchico).

Durante o plantio, Celso Woyciechowski, coordenador da Cootepa, explicou que o plantio é uma ação pela vida. “Nada mais propício que esse plantio simbolizando as vidas perdidas pela covid-19 e pela incompetência dos governantes, em defesa do meio ambiente, contra o desmatamento da Amazônia”, avaliou.

Morador da Coopchico, o vereador porto-alegrense Marcelo Sgarbossa parabenizou as entidades que tiveram a ideia do plantio. “A ação traz a forma solidária de viver. Parabéns às entidades que tiveram a ideia e a colocaram em prática durante a pandemia, num local privado, mas que simboliza a aposta em uma humanidade diferente, que reconhece a cooperação para uma sociedade mais justa”, afirmou.

Diversos Gritos

O ato virtual contou com diversos vídeos trazendo o grito dos movimentos populares, dos indígenas, dos migrantes, dos ciganos, das periferias, das mulheres e de variados rincões do Rio Grande do Sul. O grito do cacique kaingang Jocemar Mariano, da aldeia Goj-jur, do município de Passo Fundo, foi “pela terra, pela vida e contra o genocídio histórico dos povos indígenas. Contra os retrocessos que temos sofrido com meses de um governo fascista e genocida, que quer tirar os direitos que nosso povo vem conquistando com muito suor”.

A venezuelana Maria Laura, que vive na região Metropolitana de Porto Alegre, trouxe o grito de quem chegou ao Brasil em busca de dignidade, mas que sofre preconceito. “Nosso grito é por trabalho, para termos uma moradia digna e alimentação, e por documentação. Também venezuelano, Andres Geraldo era professor de matemática e vive em Pelotas há dois anos. Desempregado, ele tem dificuldades para sobreviver e ajudar sua família que segue na Venezuela. Andres grita por oportunidade.

A cigana Rose Winter, da Pastoral dos Nômades, que representa o circo, os ciganos, os parques de diversão, ressaltou a luta pelo direito de ir e vir. “Que nosso direito seja garantido para fazer nosso trabalho, nossa arte, em todos os lugares com respeito e dignidade”.

Os integrantes do Movimento dos Atingidos por Barragens estadual (MAB-RS) destacaram as lutas contra as barragens e projetos de energia que transformam a água em mercadoria. Entre eles a privatização da água que tramita no município de Erechim e a construção da hidrelétrica binacional Garabi-Panambi, entre Brasil e Argentina.

A Comissão Pastoral da Terra fez um grito pela semente crioula e pela agricultura familiar. Lembrou que o governo Bolsonaro vetou quase integralmente o projeto da Câmara dos Deputados que previa o pagamento de um benefício especial aos agricultores. Além disso, criticou a escalada na liberação de agrotóxicos, mais de 400 desde o início do mandato.

Irmã Lourdes, da coordenação da Feira Internacional do Cooperativismo, que ocorre anualmente em Santa Maria, também criticou a escalada de venenos. “Na região Central gaúcha, gritamos contra o desemprego, o veneno, o feminicídio, monoculturas e todas as formas de exclusão social, especialmente do povo mais empobrecido”.

Marcia Rodrigues, voluntária da Cáritas Pelotas, lembrou que a principal característica do ser humano é a solidariedade. “Ser solidário é ser humano e ser humano é estar junto de quem mais precisa. A gente luta por políticas públicas de qualidade, educação e saúde para todos”.

Izanete Colla, do Movimento de Mulheres Camponesa, no município de Ibiaçá, lembrou que o grito é também contra todo tipo de violência praticada contra as mulheres. “Estamos vivendo a barbárie de feminicídios crescendo a cada dia, estamos sendo mortas pelo fato de sermos mulheres e isso tem que acabar. A vida das mulheres importam”.

Momento inter-religioso

Lideranças de variadas crenças participaram do Grito estadual, pelo Fórum Inter-religioso e Ecumênico do Rio Grade do Sul. Ìyá Sandrali de Oxum, secretária executiva do Conselho do Povo de Terreiro do RS, reforçou a defesa da vida. “Nesse dia de luta, o Fórum Inter-religioso e Ecumênico do RS invoca as espiritualidades plurais comprometidas com direitos, diversidade e democracia”.

Monja Kokai, do Zen Budismo, lembrou que tudo está interligado como se fôssemos um. “Nos reunimos como comunidade de fé para celebrar a vida, para assumirmos nosso compromisso com todo o mundo habitado. O mundo habitado grita sua exclusão e destruição, que a injustiça não nos seja indiferente.”

Louis Marcelpo Illenseer, músico da Igreja Luterana, clamou para que não haja indiferença frente à dor. “As estruturas autoritárias racistas, machistas e neoliberais não podem destruir o nosso país”, afirmou. Também luterana, a Pastora Cibele Kuss lembrou da ancestralidade e clamou: “Que as religiões soltem o grito contra todas as opressões”.

Bispo da Igreja Anglicana, Humberto Maiztegui destacou as populações historicamente perseguidas. “Que as religiões denunciem sempre o fundamentalismo e as perseguições às religiões de matriz africana, os povos ciganos e a espiritualidade indígena. Já o bispo anglicano Francisco de Assis da Silva, destacou que o contexto complicado da pandemia não impede a disposição em protestar e gritar enquanto houver exclusão social. “Não é só o vírus que tem destruído e ameaçado nossa sociedade. Temos a miséria, o preconceito e a repressão fascista de um político e políticos que têm feito do Brasil um tubo de ensaio de sua experiência autoritária e excludente, um governo que pratica a necropolítica”, criticou.

Dom Sílvio Guterres Dutra, bispo católico e coordenador da Ação Sócio Transformadora da CNBB Sul 3, ressaltou que o Grito não tem religião, cor e partidarismo, mas é o grito dos que sofrem, evocando a memória do bispo Dom Pedro Casaldáliga. Ele chamou atenção para a tentação das religiões em abafar os gritos em nome de deus. “A própria religião deve ser um canal para que os gritos possam chegar com segurança e firmeza. Não desejamos o grito falseado de uma independência que não aconteceu ainda e está muito aquém do que se deseja.”

O 26º Grito dos Excluídos estadual terminou com mais um momento cultural. “Se nós plantamos hoje, outros companheiros farão a festa da colheita”, disse padre Edinho, ao apresentar o clipe “Festa da Colheita”, do grupo Unamérica. Assista:

Assista ao 26º Grito das/os Excluídas/os estadual

Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Katia Marko

 

 

Fonte: https://www.brasildefato.com.br/2020/09/07/no-rs-26-grito-dos-excluidos-planta-as-arvores-e-sementes-de-um-futuro-mais-justo