Apandemia do novo coronavírus chegou às comunidades indígenas de Roraima, e o número de infectados e mortos aumenta todos os dias. Como mais uma forma de apoio às comunidades, o Conselho Indígena de Roraima (CIR) além de informar por meio de vídeos, redes sociais e lives sobre o que é a COVID-19, agora também está levando informações em línguas nativas.

Com foco na orientação e prevenção do novo coronavírus, o CIR e parceiros prepararam folders informativos traduzidos para Wapichana, Macuxi, Taurepang, Ingarikó, Wai-wai e Y’ekuana. O material será distribuído para as dez regiões: Serra da lua, Amajari, Serras, Raposa, Tabaio, Auto Cuamé, Baixo Cotingo, Murupú, Surumu e Wai-wai.

Além do distanciamento social, a informação também pode ajudar a salvar vidas. É o que explica um dos tradutores da iniciativa, o advogado Ivo Cípio, que fez a tradução para a língua Macuxi. “Através da língua, a compreensão da doença se torna mais clara e isso ajuda a evitar a propagação do vírus, além de conscientizar o nosso povo”, explicou.

Além de Ivo Cípio, os tradutores foram Cléia Alice Moraes da Silva (Waiwai), Nilzimara de Souza Silva (Wapichana), Josué Barbosa Andrade (Ingarikó), Jairo David Rodrigues (Yekuana) e Ana Paula Taurepang.

“A gente espera que mais essa ação fortaleça as atividades nas barreiras sanitárias, reduzindo casos e mortes pela COVID-19 nas nossas comunidades”, declarou o coordenador do CIR, Enock Taurepang.

O material foi produzido em parceria do CIR com a Universidade Federal de Roraima (UFRR), Instituto Insikiran, Projeto Bem Viver, Nature and Culture Internacional, Niatero e Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab).