Caro presidente Jair Messias Bolsonaro,

Estamos escrevendo para você em nome do Conselho Parlamentar Sámi.

Os Sámi são os povos indígenas da Finlândia, Noruega, Suécia e nordeste da Rússia. Os Parlamentos Sámi são os órgãos de governo autônomo dos Sámi. Por sua natureza representativa, os Parlamentos Sámi expressam uma posição oficial dos Sámi sobre as questões que lhes dizem respeito. Os Parlamentos Sámi na Finlândia, Noruega e Suécia cooperam por meio do Conselho Parlamentar Sámi (SPC). As organizações Sámi na Rússia são participantes permanentes nesta cooperação. O SPC foi estabelecido no ano 2000.

Após suas observações no Debate Geral da 75ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, 22 de setembro de 2020, gostaríamos de levantar uma preocupação sobre a situação dos defensores dos direitos humanos ambientais no Brasil. Isso tem ligações com os atuais incêndios na Amazônia e nos ecossistemas do Cerrado e Pantanal. Estamos cientes de que este ano há mais focos de incêndios em comparação com anos anteriores, e que muitos deles são causados por incêndios de origem humana, especialmente para estimular a rebrota de pastagens e para abrir novas áreas agrícolas. Duvidamos da explicação de que são os povos indígenas no Brasil que estão por trás desses incêndios.

Além disso, em 18 de setembro de 2020, o Ministro de Segurança Institucional, General Augusto Heleno, responsável por questões de segurança nacional, tuitou graves acusações contra a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB), nomeando explicitamente a líder da APIB Sonia Guajajara, por ter cometido crimes contra o país, espalhar notícias falsas, mobilizar-se para boicote e também afirmar que a APIB e vários aliados estão trabalhando para manchar a reputação do Brasil internacionalmente.

Em nossa opinião, as acusações criam um risco de segurança muito real para os líderes indígenas em geral, e particularmente para Sonia Guajajara e outros representantes da APIB. É preocupante que isso aumente a retórica de ódio contra os povos indígenas no Brasil, especialmente considerando os frequentes assassinatos, violência e ameaças contra líderes indígenas e defensores de direitos humanos e ambientais.

Como a maioria dos povos indígenas em todo o mundo, tanto o povo Sámi quanto os Povos Indígenas no Brasil são defensores dos direitos humanos e ambientais, na vanguarda da promoção dos direitos dos Povos Indígenas. Diante disso, esperamos que os países nórdicos e o Brasil possam trabalhar juntos na proteção dos direitos dos povos indígenas, do meio ambiente e evidenciar as conexões entre direitos humanos, ecossistemas saudáveis e pessoas. Isso estará de acordo com os compromissos dos Estados com a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas e o Documento Final da Conferência Mundial sobre os Povos Indígenas.

É correto dizer que os povos indígenas do Ártico e das florestas tropicais estão na linha de frente das mudanças climáticas. A mudança climática é duas vezes mais intensa no Ártico do que no resto do planeta. As florestas tropicais são um ator fundamental na mitigação dos efeitos das mudanças climáticas no planeta, e também são alguns dos ecossistemas mais importantes e vulneráveis do mundo às mudanças climáticas. Como todos sabemos, as mudanças climáticas estão resultando em impactos sociais, ambientais e econômicos generalizados. Os povos indígenas são especialmente vulneráveis devido à estreita conexão entre os meios de subsistência tradicionais e a natureza.

Este é o momento da história em que não temos outra alternativa prudente a não ser continuar trabalhando juntos: Estados, Povos Indígenas, ONGs e outros setores da sociedade civil.

Com os melhores cumprimentos,

Tuomas Aslak Juuso

Aili Keskitalo

Per-Olof Nutti

(os tres presidentes dos Parlamentos Sami da Finlândia, Noruega e Suécia (os mesmos também presidente/vice-presidentes do Conselho Parlamentar Sami)

 

 

Fonte: https://apiboficial.org/2020/10/14/povo-indigena-sami-da-europa-manifesta-solidariedade-a-apib/