A única representante indígena no Congresso comemora o crescimento, mas diz que ainda é preciso melhorar a distribuição de urnas eletrônicas nas aldeias e destinar mais dinheiro dos fundos partidário e eleitoral para candidatos indígenas

O número de indígenas eleitos prefeitos e vereadores cresceu nestas eleições. Os prefeitos indígenas passaram de seis para oito, na comparação com as eleições de 2016. Já os vereadores aumentaram de 168 para 179. Contando com os vice-prefeitos, 197 indígenas saíram vitoriosos nas eleições do último domingo, contra 184 em 2016.

Os resultados foram comemorados pela deputada Joenia Wapichana (Rede-RR), a única representante indígena no Congresso Nacional. No entanto, ela afirma que ainda são necessárias mudanças para melhorar a representação indígena na política. Ela reivindica maior investimento do fundo partidário e eleitoral e melhor distribuição de urnas eletrônicas em comunidades indígenas.

Joenia Wapichana explica que as comunidades indígenas têm diferentes realidades se comparadas a centros urbanos. “Temos dificuldade de acesso a locais de urna, que ainda precisam estar mais próximas das comunidades indígenas”, lamentou.

A deputada também propõe que o fundo partidário seja utilizado para formação política de indígenas, especialmente de mulheres. “Acredito numa renovação e no verdadeiro sentido da política que venha a trazer benefício para o povo brasileiro, e para os indígenas também. Temos, sim, esse direito de fazer parte da política brasileira, tanto no votar e no ser votado.”

Cleia Viana/Câmara dos Deputados
Deputada Joenia Wapichana discursa no Plenário da Câmara. Ela está em pé e usa um enfeite indígena na cabeça
Joenia Wapichana é a primeira mulher indígena eleita para a Câmara dos Deputados

Preconceito
Na avaliação da parlamentar, a candidatura indígena ainda sofre preconceito. “Dentro das próprias comunidades, consideram que voto indígena é fácil de ser conquistado com assistencialismo e compra de voto, o que é vergonhoso”, indigna-se.

Joenia Wapichana também aponta para falta de acesso aos meios de comunicação, como internet e televisão, o que dificulta o combate a notícias falsas. “É preciso levar às comunidades informação sobre quem está realmente fazendo uma política limpa, digna e combatendo a corrupção”, afirmou.

A parlamentar ressalta que a representação indígena é necessária em todas as instâncias, no Executivo, no Legislativo, no Judiciário. Para a deputada, a representação de povos indígenas em diferentes cargos deve atender demandas por políticas públicas diferenciadas para garantir o acesso a direitos sociais, incluindo educação, saúde e proteção ao meio ambiente.

Joenia Wapichana explica que as demandas de povos indígenas se fazem mais urgentes por causa crise sanitária e econômica da pandemia de coronavírus. “Os povos indígenas têm suas vulnerabilidades e precisam ser incluídos em planos de enfrentamento da Covid-19”, alertou.

Mais candidatos
Na análise da parlamentar, o aumento de prefeitos e vereadores indígenas se explica pelo crescimento do número de candidaturas indígenas, que subiu de 1.745, nas eleições de 2016, para 2.216, neste ano.

A tendência foi observada em todos os cargos. Os candidatos a prefeito passaram de 30 para 40; vice-prefeitos, de 62 para 76; e vereadores, de 1.623 para 2.100.
“Isso demonstra que os povos indígenas estão mais conscientes sobre seus direitos civis e políticos, e principalmente o direito à cidadania”, avalia Joenia Wapichana. “Isso aumenta cada vez mais o protagonismo indígena, mas acima de tudo, a vontade de fazer parte dos processos de tomada de decisão em várias instâncias, inclusive as municipais.”

 

 

Os partidos que mais elegeram candidatos indígenas foram o PT (24 eleitos), MDB (23), PSD (19), PP (15) e DEM (14). Todos esses partidos aumentaram o número de indígenas eleitos, na comparação com as eleições de 2016.

O crescimento de indígenas eleitos também foi maior em estados que já tinham maior número de representantes eleitos. No Amazonas, os indígenas eleitos passaram de 30 para 38 neste ano; na Paraíba, de 13 para 18; em Roraima, de 13 para 15. No entanto, a representação indígena diminuiu em outros estados, incluindo Pernambuco (de 18 para 14), Bahia (de 14 para 9) e Acre (9 para 6).

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Natalia Doederlein

Fonte: Agência Câmara de Notícias

 

 

Fonte: https://www.camara.leg.br/noticias/709156-cresce-numero-de-prefeitos-e-vereadores-indigenas/