A XV Assembleia Geral Ordinária Eletiva da FOIRN acontece nesta quinta e sexta-feira, dias 26 e 27 de novembro, em São Gabriel da Cachoeira (AM), com o tema “Pandemia e os saberes indígenas do Rio Negro”. Delegações de todas as cinco coordenadorias regionais da FOIRN já estão na cidade garantindo representatividade à calha do Rio Negro. Este ano, a imagem que representa o encontro é uma pintura do artista plástico e liderança Feliciano Lana, da etnia Desana, que morreu em maio, aos 83 anos, vítima da Covid-19. A obra mostra a tradicional prática curativa dos pajés do Rio Negro. Além da pandemia, estarão em discussão temas como negócios socioambientais e o cenário do movimento indígena.

Presidente da Foirn, Marivelton Barroso agradece e dá as boas-vindas aos delegados e convidados que participarão do encontro, que será realizado no campus do Instituto Federal do Amazonas (Ifam) – Campus São Gabriel da Cachoeira, já que a Maloca/Casa do Saber da Foirn está em reforma. A assembleia seguirá as normas sanitárias para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. Esse cuidado estará presente até mesmo na decoração, que utilizará amostras de plantas tradicionais utilizadas no preparo de chás utilizados contra a Covid-19.

A abertura, na manhã desta quinta-feira, será marcada por um dabucuri de patauá, ou seja, uma festa com oferta do fruto tradicional na região para recepção das delegações.  Dentro da programação, o Instituto Socioambiental (ISA) irá apresentar ações desenvolvidas em conjunto com a FOIRN, inclusive no combate à pandemia. Representantes da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab) vão traçar o panorama do movimento indígena.

Delegados de todas as coordenadorias regionais –  Coordenadoria das Organizações Indígenas do Distrito de Iauaretê (COIDI); Coordenadoria das Associações Indígenas do Alto Rio Negro e Xié (CAIARNX); Associação Baniwa e Koripako (NADZOERI); Coordenação das Organizações Indígenas do Tiquié, Baixo Uaupés e Afluentes (DIAUWÌI); e Coordenadoriadas Associações Indígenas do Médio e Baixo Rio Negro (CAIMBRN) – vão expor as práticas tradicionais utilizadas em suas regiões no enfrentamento à Covid-19.

Marivelton Baré coordenou o Comitê Interinstitucional de Enfrentamento e Combate à Covid-19 em São Gabriel da Cachoeira e ressalta o esforço realizado para a construção de parcerias que garantiram o reforço dos serviços públicos de saúde na região, sendo um exemplo a implantação das Unidades de Atendimento Primário Indígena (Uapis) no território indígena. A iniciativa  foi executada após articulação entre Foirn, ISA, Expedicionários da Saúde e Distrito Sanitário Especial Indígena Alto Rio Negro (Dsei-ARN).

O presidente da FOIRN reforça a importância do resgate de remédios e práticas tradicionais durante a pandemia, tema amplamente debatido nas assembleias regionais. “Houve esse incentivo e discussão da valorização da nossa própria medicina tradicional, do nosso próprio conhecimento indígena. Os remédios caseiros, os benzimentos nos salvaram, nos livraram. A gente não é contra a medicina ocidental, mas também a medicina tradicional vale muito”, decla

Durante a XV Assembleia será lançado o Plano de Gestão Territorial e Ambiental (PGTA) do Alto Rio Negro, elaborado em parceria entre FOIRN e ISA após processo de consulta. “O PGTA é nosso plano de vida do território. Ali nele estão as nossas reivindicações, o que a gente quer. O reconhecimento e valorização cultural, proteção, governança, educação, saúde, infraestrutura, comunicação, entre outras demandas necessárias, como promover e fortalecer a regularização das associações, políticas das mulheres e da juventude, com formação de jovens lideranças”, diz. A implantação dos PGTAs terá início em 2021.

As camisetas do evento carregam artes do Feliciano Lana Dessana, vítima de Covid-19. Foto: Ray Baniwa/Foirn

Outros importantes tópicos em discussão estão a criação do fundo de contribuição financeira do Rio Negro e a estruturação do Departamento de Negócios Socioambientais da FOIRN. “Estamos iniciando uma política de fortalecimento e fomento da economia indígena. É a geração de renda a partir de produtos que mostram toda a diversidade dos povos do Rio Negro”, diz Marivelton Baré.

Confira a programação completa:

https://bit.ly/3nWq3aC

Cobertura do evento: Rede Wayuri de Comunicadores Indígenas