Equipes de comunicação do IEB e do SCIOA | 2020

Para proteger suas comunidades da Covid-19, os povos indígenas da Amazônia tiveram que encontrar maneiras alternativas de manter contato para continuar defendendo seus territórios e direitos. As mulheres da UMIAB não são exceção.

A UMIAB —União das Mulheres Indígenas da Amazônia Brasileira— é uma organização que promove os direitos das mulheres indígenas no Brasil. A organização é parceira do projeto SCIOA (Fortalecimento das capacidades das organizações indígenas na Amazônia), financiada pela USAID, que está aumentando a influência dos povos indígenas na governança da região amazônica para proteger o meio ambiente da região e os direitos dos seus povos indígenas. Por meio do SCIOA, a Pact e seus parceiros acompanham o processo de desenvolvimento de capacidades das organizações indígenas para acessar e administrar recursos financeiros e assumir suas próprias prioridades de planejamento e desenvolvimento na floresta amazônica da Colômbia, Peru, Brasil, Suriname e Guiana.

A tecnologia e a conexão com a internet podem ser desafiadoras em áreas remotas da Amazônia. Mesmo assim, as mulheres da UMIAB dos nove estados da Amazônia brasileira conseguiram recentemente reunir-se virtualmente em Assembleia Geral para eleger a nova diretoria da entidade, pois era importante para a organização não permitir que a pandemia atrasasse seu importante trabalho.

As representantes eleitas, oriundas dos estados de Roraima, Acre, Mato Grosso, Pará e Maranhão, vão liderar a organização de 2021 a 2024. Telma Taurepang foi reeleita coordenadora-geral e disse que a nova composição continuará avançando na agenda das mulheres indígenas:

“Nosso objetivo continua sendo a luta pelo Bem Viver em nossas comunidades e povos, a luta pela educação e saúde. Tenha certeza de que continuaremos fortalecendo nossa participação em todos os espaços possíveis ”.

Em meio à pandemia, as mulheres indígenas mostraram sua resiliência e capacidade de mobilização organizando esta Assembleia online, que conseguiu reunir 68 pessoas. Sonia Guajajara, reconhecida liderança indígena no Brasil, esteve presente na Assembleia e incentivou a luta das mulheres indígenas brasileiras:

“Nessa pandemia, nosso papel se tornou mais evidente do que nunca. Fazemos a articulação política e também ficamos em casa cuidando da família, da casa e da roça. Isso mostra como inovamos e nos reinventamos a cada desafio, mas ainda precisamos de coragem para enfrentar o machismo ”.

Para as mulheres indígenas, a luta pelo território está ligada ao direito à vida, de modo que as violações do território são violações do direito à vida.

As mulheres indígenas participantes também expressaram seu entusiasmo por conhecer outras mulheres que compartilham uma identidade comum, a intenção de serem mais fortes como organização e de compartilharem seus aprendizados com mulheres de outros países, para que continuem na defesa dos direitos das mulheres indígenas. “As mulheres indígenas são a revolução”, diz Sara Gaia, assessora do Programa Indígena do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB), que lidera o acompanhamento da UMIAB por meio do SCIOA.

“Temos que ajudar a espalhar isso pelo mundo. Este projeto com a UMIAB surgiu de uma aliança institucional em que o grande desafio era reunir as mulheres dos nove estados; este foi um caminho de muito sucesso. Hoje vemos a UMIAB como uma possibilidade de articulação que tem mostrado sua força e criatividade. O IEB está muito honrado em ser parceiro desta organização ”, disse.

 

 

Fonte: https://iieb.org.br/primeira-assembleia-virtual-de-mulheres-indigenas-da-amazonia-brasileira/