Votação estava prevista para quarta-feira, mas foi adiada para a pauta do dia seguinte

Os ministros do Supremo Tribunal Federal encerraram a sessão desta quarta-feira sem votar o Marco Temporal e dar uma definição sobre as demarcações de terras no país. A votação foi remarcada para quinta-feira e será o segundo item da pauta do dia. O Ministro Luiz Fux garantiu que não vai tirar de pauta, a não ser que alguém peça vista.

Edson Fachin, relator da matéria já se posicionou contra o Marco Temporal, conceito que restringe a demarcação de terras aos povos que comprovadamente estivessem ocupando a área na data de 5 de outubro de 1988 ou que comprovem conflitos. Esse conceito dificulta a demarcação de novas terras indígenas e permitirá ainda o questionamento de territórios já demarcados.

O deputado federal Túlio Gadêlha também visitou a manifestação para prestar apoio. Foto: Aldrey Riechel/ Amazônia.org.br

A votação era esperada principalmente pelos indígenas, que estão mobilizados no Acampamento Pela Vida, em Brasília. Eles realizaram uma marcha até o STF e um telão foi instalado no local para que pudessem acompanhar a votação. A mobilização acontece desde domingo (22) e está prevista para durar até sexta-feira (28).

Nesta quarta-feira, políticos e personalidade públicas visitaram o acampamento indígena para manifestar apoio. O DJ Alok discursou para os presentes reforçando apoio aos povos tradicionais. Maria Gadú também esteve presente e tirou fotos com os acampados. Durante a ação em frente ao ministério políticos também compareceram demonstrar apoio como Túlio Gadêlha, Alessandro Molon e Perpétua Almeida.

Fonte: https://amazonia.org.br/supremo-adia-decisao-sobre-terras-indigenas/