Passamos um dia junto com a fiscalização do Ibama; Marina Silva diz que “processo de desmilitarização está consolidado”

Rubens Valente

TERRA INDÍGENA YANOMAMI – Quatro fiscais do Ibama se lançam de um helicóptero nas águas turvas do Uraricoera e nadam até uma balsa de garimpo ancorada na margem esquerda do rio. Esse pequeno porém eficiente monstro da destruição movimentado por até oito pessoas rouba, com uma mangueira de sucção, os sedimentos no leito do rio e joga-os numa esteira com água corrente dentro da balsa. O ouro, mais pesado, vai parar no fundo de uma esteira acarpetada. Depois passa por um processo de queima com uso de mercúrio que, evaporado, causará danos irreversíveis à fauna, à flora e, por fim, aos seres humanos. A Terra Indígena Yanomami não está sendo destruída apenas por dragas que abrem imensas crateras no solo. Há também dezenas dessas balsas, que custam de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões, operando ilegalmente nas calhas de rios como o Uraricoera e o Mucajaí.

De armas em punho, os fiscais do Ibama invadem a balsa à procura dos garimpeiros, mas ninguém é encontrado. Provavelmente fugiram ao ouvir o barulho dos helicópteros. No silêncio da mata, os aparelhos são ouvidos com muita antecedência. Por causa do som característico, os garimpeiros chamam os helicópteros de burús. Em poucos minutos – a ação precisa ser rápida para poupar o combustível dos helicópteros e evitar uma reação armada –, os fiscais do Ibama incendeiam a balsa com o óleo diesel dos próprios garimpeiros. É o fim da embarcação de um tipo conhecido como escariante, dos mais nocivos, por também conseguir quebrar rochas no leito do rio. Uma grossa coluna de fumaça preta sobe entre as árvores, assustando pássaros que partem em revoada. “Uma a menos”, comenta um fiscal no aparelho de rádio.

Durante seis horas do último sábado (11), a Agência Pública acompanhou um dia de atividades dos fiscais do Ibama que estão na linha de frente do combate ao garimpo na terra Yanomami. O órgão ambiental trabalha com seus próprios recursos nessas primeiras operações no território. Seus oito helicópteros, de modelos B4 e Esquilo, são essenciais na operação de desintrusão. Viagens de quatro ou cinco dias de barco são cumpridas em apenas 20 ou 30 minutos de voo. Os deslocamentos por barco são também perigosos porque abrem espaço para um encontro fortuito com garimpeiros armados. Caso as Forças Armadas, que têm muito mais dinheiro e pessoal, entrassem com seus helicópteros Black Hawks junto com o Ibama, o combate ao garimpo seria um pouco mais facilitado. Os militares agora afirmam estar focados em prestar assistência humanitária aos indígenas e apoiar, com seus helicópteros, as primeiras incursões da Polícia Federal.

Pública acompanhou durante seis horas do último sábado (11) atividades dos fiscais do Ibama no processo de desintrusão da terra indígena yanomami

Mas foi o Ibama que, na segunda-feira da semana passada (6), “puxou a fila” das ações de campo dos órgãos do governo que somam agora oito dias ininterruptos. Será um combate longo e desgastante, de muito meses. “Consideramos a terra Yanomami uma das mais difíceis para operarmos no país, talvez só comparada à terra indígena Vale do Javari [no Amazonas]. As distâncias são enormes, a logística complicada. Mas tem uma coisa, se é complicada para nós, também é para os garimpeiros”, disse um dos fiscais, que pediu para não ter o nome publicado.

O Ibama sabe que a operação de desintrusão precisa retomar, abrir e manter diversas bases de apoio dentro do território Yanomami. Nessas bases seria instalada uma estrutura mínima para o abastecimento dos helicópteros. “A partir do momento em que a gente conseguir estruturar essas bases, conseguiremos atingir as zonas mais profundas do território, que é onde estão concentrados a maior parte dos garimpos e as comunidades indígenas em isolamento voluntário, que são as mais atingidas pela fome e pelas doenças.”

Na terça-feira (7), o Ibama retomou a primeira base de fiscalização no rio Uraricoera, considerada estratégica no plano de bloquear o fluxo de combustíveis e alimentação adquiridos pelos garimpeiros em centros urbanos como Boa Vista e Alto Alegre. Os fiscais sabem que o estrangulamento dos produtos é essencial para extinguir os garimpos, aliado ao bloqueio do espaço aéreo pela FAB (Força Aérea Brasileira).

“Consideramos a terra Yanomami uma das mais difíceis para operarmos no país”, afirma um dos fiscais ouvidos pela reportagem. Rubens Valente/Agência Pública

No sábado (11), o Ibama mobilizou dois de seus helicópteros e oito de seus mais experimentados fiscais de campo. Ao longo de anos, muitas vezes sob o guarda-chuva do GEF (Grupo Especial de Fiscalização), eles já viveram todo tipo de perigo em grandes operações de combate aos crimes ambientais em diversas partes do país. Como a que mirou, em 2015, os madeireiros clandestinos da Terra Indígena Arariboia, no Maranhão, na qual um dos fiscais, Roberto Cabral, foi atingido por um tiro de espingarda no braço. Colocado na “geladeira” durante o governo de Jair Bolsonaro, Cabral agora voltou à ativa na terra Yanomami. Assim como Hugo Netto Loss, outro fiscal que sofreu forte perseguição durante os anos de Bolsonaro e agora trabalha na coordenação da mesma operação, batizada de Xapiri, um espírito da floresta yanomami.

No início do segundo ano do governo Bolsonaro, Loss e seu chefe imediato na época, Renê Luiz de Oliveira, foram exonerados de cargos de direção da fiscalização do Ibama em Brasília pelo então ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e pelo então presidente do Ibama, Eduardo Bim, logo após imagens de uma grande operação realizada em terras indígenas no Pará terem sido veiculadas com destaque pelo programa Fantástico, da TV Globo. A divulgação enfureceu Bolsonaro, que pediu providências contra os servidores do Ibama. Por engano, Bolsonaro enviou uma mensagem ao então ministro da Justiça, Sergio Moro, que não tinha relação com o Ibama. A mensagem de Bolsonaro veio à tona quando Moro, na época supostamente brigado com Bolsonaro, mas que logo depois reatou todos os laços na campanha eleitoral de 2022, entregou seu celular para uma perícia da Polícia Federal.

A exemplo de Loss e Cabral, muitos outros servidores agora estão voltando a fazer o que aprenderam a fazer. O próprio atual presidente interino do Ibama, Jair Schmitt, um quadro do técnico do órgão ambiental que durante o governo Dilma Rousseff foi coordenador geral de fiscalização do Ibama e diretor de combate ao desmatamento no MMA (Ministério do Meio Ambiente), agora autoriza em Brasília a operação de desintrusão na terra Yanomami. Ele foi a Boa Vista (RR) na semana passada para acompanhar pessoalmente os primeiros movimentos.

No sábado, após destruírem a primeira balsa escariante, os fiscais abordaram e inutilizaram uma segunda embarcação possivelmente usada por garimpeiros mergulhadores. Na sequência, os fiscais que haviam pulado no rio foram resgatados pelo helicóptero Esquilo numa perigosa manobra a menos de um metro das águas do Uraricoera.

Dragas, bombas de sucção, mangueiras e motores estacionários utilizados no garimpo. Rubens Valente/Agência Pública

De lá, a cerca de 25 minutos de voo, as duas equipes seguiram para um garimpo aberto na mata. Com suas dragas, bombas de sucção, mangueiras e motores estacionários, garimpeiros fizeram imensas crateras e transformaram a floresta num grande lamaçal. Era possível ver, no solo, sinais recentes da atividade de uma máquina retroescavadeira que nos garimpos é chamada de “PC”. As PCs aceleraram a destruição da selva em toda a Amazônia nos últimos 15 anos. Os fiscais tentaram encontrar a máquina, provavelmente escondida na mata, mas não a encontraram. Aproveitaram para destruir com fogo dois acampamentos e um motor estacionário usado para movimentar as dragas.

Desde segunda-feira (6), os fiscais do Ibama também estão incendiando, dentro e fora da terra indígena, os equipamentos utilizados para apoiar os garimpos ilegais, como um helicóptero e um avião, este queimado numa pista de pouso perto da cidade de Boa Vista (RR).

Aeronave destruída por fiscais ambientais durante operação. Rubens Valente/Agência Pública

Uma intrincada logística

A ação do Ibama em campo é marcada por uma intrincada logística, necessária para que o combate ao garimpo seja bem-sucedido. Os helicópteros costumam decolar de Boa Vista (RR), onde são abastecidos diariamente e passam por manutenção. Mas precisam parar numa pequena vila, com cerca de 500 moradores, da Serra do Tepequém, no município de Amajari (RR), ainda fora da terra indígena, para dali seguir em novas missões. É um vilarejo tranquilo que atrai muitos turistas em busca de banhos de cachoeira e caminhadas. Na pequena pista de pouso de Tepequém, sob segurança da Polícia Militar local e da Força Nacional, os helicópteros são reabastecidos por um caminhão de combustíveis que chega de Boa Vista quase todo dia. É um constante e custoso ir e vir a fim de garantir o fluxo das viagens da fiscalização. De Tepequém, as equipes partem para a ação dentro da terra indígena.

As equipes precisam agir o mais rápido possível e sempre de olho no consumo do combustível do helicóptero. Se sobrevoam muito tempo, há o risco de uma “pane seca”, quando o aparelho fica sem combustível, o que obrigaria um pouso forçado. É por isso que o Ibama está abrindo bases de reabastecimento dentro do território indígena.

Ibama enfrenta problemas logísticos e de abastecimento que dificultam operações. Rubens Valente/Agência Pública

Embora reconheçam as dificuldades logísticas, os agentes do Ibama também dizem ter uma grande esperança na extinção total dos garimpos na terra Yanomami. “É possível sim acabar com os garimpos. Não tem segredo nenhum. Não é uma ação complexa. Se há grandes distâncias para nós, também há para os garimpeiros. Por isso temos que estrangular o abastecimento dos garimpos.” Ao longo de quatro anos, representantes do governo Bolsonaro, como o vice-presidente e militar Hamilton Mourão, falavam que era “complexo” retirar os garimpeiros.

“A diferença agora, em relação ao governo do Bolsonaro, é que estamos vendo uma ação institucional. Para fazer uma ação efetiva na terra Yanomami, é necessário um apoio institucional. Agora a gente vê essa mudança acontecer, a gente tem esse apoio institucional. Precisamos ter uma ação impactante de curto prazo, uma ação de médio prazo de criação das bases e a manutenção das bases a longo prazo. Principalmente fechar os dois principais rios [Uraricoera e Mucajaí] e que a FAB [Força Aérea Brasileira] realize o controle do espaço aéreo brasileiro.”

Ministra do Meio Ambiente diz que Ibama vai operar “com toda eficiência necessária”

Na segunda-feira (13), o Ibama voltou à carga, destruindo e queimando equipamentos dos garimpeiros. A ação foi acompanhada por uma equipe do “Jornal Nacional”. Em entrevista à TV, um dos fiscais do Ibama, Felipe Finger, disse que “hoje a terra Yanomami é um território completamente dominado pelo crime organizado”. “Essa operação pretende retomar o território”, disse Finger. Será um trabalho de meses.

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, disse à Pública, por mensagem, que o governo está “retomando políticas em dois eixos: ações emergenciais planejadas e ações estruturantes permanentes”. No caso das emergenciais, “inicialmente a instalação de bases de controle para a retomada do território Yanomami, um trabalho integrado com diversos setores do governo, como a Polícia Federal, a Funai e outros”.

“No último governo houve um completo esvaziamento do Ibama, uma das instituições mais importantes da governança ambiental brasileira. Temos o desafio de novos concursos, mas vamos operar com toda a eficiência necessária, e já estamos dando demonstrações da volta do Ibama para o lugar certo. O processo de desmilitarização das ações ambientais do governo federal e o retorno de suas funções precípuas está consolidado. Vamos acabar com o garimpo ilegal, a destruição de nossas florestas e o descaso em relação à vida de nossos povos indígenas. É uma determinação do presidente Lula”, escreveu a ministra.

Fonte: https://apublica.org/2023/02/um-dia-na-linha-de-frente-contra-o-garimpo-na-terra-yanomami/

Thank you for your upload