Organizações indígenas realizam atos e bloqueios de vias para pressionar por agenda com dez reivindicações

Michele de MelloBrasil de Fato | São Paulo (SP) | 17 de Junho de 2022 às 15:45

A Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) decidiu manter a paralisação nacional contra o governo de Guillermo Lasso. A Conaie apresenta uma lista com dez reivindicações, entre elas a redução dos preços dos combustíveis e a proibição de atividades de mineração nos territórios indígenas.

Também exigem mais emprego e respeito aos direitos trabalhistas, mais verbas públicas para saúde e educação, e criação de políticas públicas para conter a onda de violência e crime organizado que assola o país.

O presidente do país, Guillermo Lasso, disse que estar aberto para o diálogo, mas mantém uma postura hostil em relação ao direito de protesto social. “Estamos prontos para impedir que as mobilizações se tornem mais violentas, vamos utilizar o uso progressivo da força para defender todos que queremos trabalhar em paz”, disse.

O gabinete presidencial anunciou reuniões de Lasso com organizações da sociedade civil, mas não inclui a confederação que convocou a greve. 
No primeiro dia de greve geral, o presidente da Conaie, Leonidas Iza Salazar, chegou a ser preso, acusado de interromper serviços públicos, com o bloqueio da rodovia Panamericana, que conecta o norte ao sul do país. Após 24h e sob pressão popular, o líder indígena foi solto, mas está impedido de sair do país, continua sendo processado e deve comparecer semanalmente ante as autoridades.
“O diálogo deve ter resultados. [O presidente] oferece diálogo mas também ameaça com o uso coercitivo da força. Não há coerência”, denuncia o líder indígena.
Pelo menos cinco províncias do país têm suas principais vias de acesso bloqueadas pelas manifestações: Cotopaxi, Tungurahua, Chimborazo, Bolívar e Pastaza. Nessas regiões se concentra 30% dos 1,1 milhão de indígenas do Equador. 
“Não aceitamos que uma luta que levamos de maneira transparente e construtiva se converta em vandalismo, de violência ou enfrentamento. Essa resistência será feita com dignidade, mas não deve ser confudida com violência”, disse Leonidas Iza.
A Conaie assegura que a paralisação se mantêm de maneira indefinida, durante o fim de semana irão organizar uma marcha até Quito para uma assembleia ampliada com sindicatos e organizações de outros setores, como de transporte, camponeses e comerciantes.
Em menos de dois anos de gestão esta é a segunda greve geral organizada contra Lasso.
Cerca de 27,7% da população equatoriana vive na pobreza, 10,5% na pobreza extrema, enquanto 66% está na informalidade laboral, segundo dados de dezembro de 2021 do Instituto Nacional de Estatística e Censos (Inec).
 
Edição: Rodrigo Durão Coelho

Fonte: https://www.brasildefato.com.br/2022/06/17/movimento-indigena-do-equador-mantem-greve-geral-pelo-5-dia-presidente-pede-dialogo

Thank you for your upload